Automação industrial: o que é e por onde começar na sua empresa?

Automação industrial: o que é e por onde começar na sua empresa?

Automação industrial: o que é e por onde começar na sua empresa?

Automação industrial: o que é e por onde começar na sua empresa?

 

Pode até ter surgido nos chamados “anos dourados”, mas muitas empresas ainda têm dificuldade de introduzi-la no seu negócio. Estamos falando da automação industrial, um termo que, em suma, descreve aquilo que é automático, que o homem criou para poupar seus esforços.

 

Um exemplo prático de automação são as carroças que foram substituídas por carros e outros automóveis. Muitos se assustam com a chegada de novas tecnologias, achando que elas poderão substituir os seres humanos nas sua profissões. Na verdade, o que acontece é uma evolução: algumas profissões desaparecem, mas outras surgem. Enquanto os condutores de carroça foram se extinguindo, os mecânicos, eletricistas e outros profissionais especializados em veículos automotivos foram surgindo.

 

Ou seja, não relacione automação com algo ruim. Pelo contrário: ela tem a ver com otimização - de custo, de tempo, de processos… Dentro de uma indústria, ela também surge na aplicação de novas tecnologias. Para entender um pouco melhor, é preciso saber que um sistema de automação industrial é composto por duas partes: a operacional e a de controle.

 

A parte operacional se refere àquilo que faz a máquina se mover e executar as tarefas. Ou seja, são dispositivos de acionamento (motores, válvulas, cilindros, compressores...) e dispositivos de detecção (sensores de radiofrequência, temperatura, visão, etc).

 

A parte de controle, por sua vez, é o cérebro por trás da operação. É ela que programa as ações, se comunica com todos os componentes da operação, processa a lógica do sistema e dá o comando para executar.

 

Em suma, as duas partes que compõem a automação industrial correspondem aos braços e ao cérebro do ser humano. Agora, se sistemas de automação industrial fazem a mesma coisa que pessoas, por que trocar um pelo outro?

 

Dentre os motivos, podemos citar o fato de que máquinas, softwares, hardwares, robôs e outras tecnologias não ficam cansadas e nem correm risco de vida. Ou seja, o uso delas aumenta a produtividade e diminui os riscos de acidentes de trabalho. Além disso, um sistema de automação também pode realizar atividades difíceis de serem executadas por pessoas, trazendo uma maior precisão na execução e, consequentemente, mais qualidade no produto final.

 

Com processos de automação, o consumo de energia envolvido nas operações e a emissão de resíduos são reduzidos. Os custos, então, nem se fala. O preço para adquirir e instalar uma nova tecnologia na sua empresa pode parecer alto, mas não será maior do que o salário mensal de um colaborador. Contudo, principalmente: nada é mais caro do que pagar um profissional para executar tarefas mecânicas e repetitivas, sendo que ele poderia estar pensando, desenvolvendo e aprimorando ideias para o crescimento da empresa.

 

Como foi possível perceber, os benefícios da automação industrial não são difíceis de serem identificados e entendidos. A parte complexa, talvez, esteja em saber por onde começar na sua empresa. Para tanto, é preciso identificar no seu negócio aquilo que ainda é executado por pessoas e que poderia ser automatizado. Observar a concorrência e a competitividade do mercado de trabalho é um bom método. Aquele concorrente que parece estar crescendo no mercado automatizou algum processo? Qual?

 

Outro método é observar e analisar dentro da sua própria empresa quais setores ainda executam muitas tarefas mecânicas e repetitivas. Recursos Humanos? Tecnologia da Informação? Marketing? Comece pelo que mais parece ter colaboradores sobrecarregados com tarefas “tediosas” e automatize as que forem possíveis de serem automatizadas! Pode ter certeza que isto não será um gasto, e sim, um investimento. Aos poucos, serão os concorrentes que estarão observando o seu crescimento e tentando entender o que você fez para chegar lá.